iklan

INTERNACIONAL, DÍLI, NOTÍCIAS DE HOJE, SEGURANÇA

Serviço de Migração: “Mobilidade ilegal fronteiriça deve-se à falta de efetivos da UPF”

Serviço de Migração: “Mobilidade ilegal fronteiriça deve-se à falta de efetivos da UPF”

Imagem da Tatoli

DÍLI, 17 de janeiro de 2022 (TATOLI) – O Diretor-Geral da Autoridade do Serviço de Migração, Luís Soares Barreto, reconheceu que a falta de recursos humanos nas fronteiras terrestres entre Timor-Leste e a Indonésia propicia a mobilidade ilegal de pessoas.

“Reconhecemos que Timor-Leste carece de recursos humanos, sobretudo na Unidade de Patrulhamento da Fronteira [UPF] para controlar passagens ilegais”, informou Luís Soares Barreto à Tatoli, em Vila-Verde, Díli.

O dirigente salientou ainda a falta de infraestruturas de delimitação física das fronteiras entre  os dois países.

Luís Barreto reconheceu que, embora o Serviço de Migração não tenha competência para controlar travessias ilegais, a sua direção trabalha de forma integrada com outras agências governamentais na prestação de serviços aos estrangeiros que entram no país de forma legal.

“Existem apenas 13 postos de patrulha, cada um tem entre quatro e cinco funcionários, número que não é suficiente para cobrir toda a área das zonas fronteiriças”, frisou

De acordo com dados do Serviço de Imigração, em 2022 registaram-se 108 movimentações ilegais fronteiriças – 72 entradas e 36 saídas.

Notícia relevante: PNTL reconhece fragilidades no controlo de entradas ilegais nas fronteiras terrestres

Jornalista: Afonso do Rosário

Editora: Isaura Lemos de Deus

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!