iklan

POLÍTICA, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS DE HOJE

Abstenção na votação sobre golpe militar em Mianmar constitui uma lição futura

Abstenção na votação sobre golpe militar em Mianmar constitui uma lição futura

Primeiro-Ministro timorense, Taur Matan Ruak. Imagem Tatoli/Egas Cristovão.

DÍLI, 24 de junho 2021 (TATOLI) – O Primeiro-Ministro timorense, Taur Matan Ruak, disse que a abstenção na votação sobre o golpe militar em Mianmar constitui uma lição para o futuro.

O Chefe do Governo falava à margem do encontro com o Presidente da República, Francisco Guterres Lú Olo, no Palácio Presidencial, em Aitarak-Laran, Díli.

“Num país democrático, a opinião dos cidadãos sobre o voto de abstenção do Estado de Timor-Leste na situação em Mianmar é muito importante. O Governo regista estas preocupações”, afirmou Matan Ruak.

O Chefe do Executivo recordou ainda que a abstenção do Estado timorense sobre a situação de Mianmar pertence ao passado. “O Governo considera [a abstenção] como uma lição para o futuro”.

“O nosso voto é facto consumado, mas não substitui os valores e os princípios que Timor-Leste abraça como um país democrático, respeitador dos direitos humanos, da reconciliação e da solução pacífica para um problema sem recorrer à a violência. Timor-Leste defende estes valores”, referiu.

Recorde-se que o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação (MNEC) timorense clarificou que a sua abstenção à Resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o golpe militar em Mianmar se deve à falta de posição comum entre os Estados membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

A Ministra dos Negócios Estrangeiros, Adaljiza Magno, afirmou que a abstenção de Timor-Leste na votação da  Resolução da ONU está de acordo com a consistência da política externa do Estado timorense.

“Timor-Leste tem expressado o seu voto de abstenção sobre a resolução do problema de Mianmar desde 2010. Assim, a votação em Nova Iorque mostrou a consistência da política externa do Estado timorense, que ainda não se alterou”, avançou a governante.

O MNEC esclareceu que Timor-Leste, como país democrático, não apoia a declaração do estado de emergência pelas Forças Armadas de Mianmar a 01 de fevereiro de 2021 e ações subsequentes contra o Governo eleito pelos civis.

Esta posição foi refletida na declaração de Timor-Leste a 12 de março de 2021, durante a 46ª sessão do Conselho de Direitos Humanos, onde o país expressou a sua preocupação com a situação dos direitos humanos em Mianmar e pediu a libertação de detidos arbitrariamente, incluindo prisioneiros políticos.

Recorde-se que o ex-Prémio Nobel da Paz de 1996, José Ramos Horta, lamentou a posição de Timor-Leste, a abstenção sobre a resolução.

José Ramos Horta notou que o MNEC não consultou o Primeiro-Ministro, Taur Matan Ruak, nem o Presidente da República, Francisco Guterres Lú Olo, sobre a política internacional de Timor-Leste.

“A maioria dos países da ASEAN, como Indonésia, o próprio Mianmar, Filipinas, Singapura, Vietname e os Estados membros da CPLP, como Portugal, Guiné-Bissau, Brasil, entre outros votaram a favor, e Timor-Leste absteve-se. Isso afeta a nossa credibilidade”, disse Ramos Horta, em declaração aos jornalistas, na sua residência no Farol.

Ex-titulares manifestaram as suas dúvidas sobre a linha de coordenação entre o MNEC, o Primeiro-Ministro e o Presidente da República.

Na aprovação final da resolução da ONU sobre o conflito em Mianmar, 119 países votaram a favor, um contra (Bielorrússia) e registaram-se 36 abstenções, incluindo a de Timor-Leste.

Notícia relevante: TL justifica abstenção na votação da resolução da ONU sobre o golpe militar em Mianmar

Jornalista: Domingos Piedade Freitas

Editora: Maria Auxiliadora

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!