iklan

EDUCAÇÃO, DÍLI

Aprovada Lei de Bases do Ensino Superior

Aprovada Lei de Bases do Ensino Superior

Sala de aula de instituição de ensino superior timorense (Fonte: site Bomdia.ch)

DÍLI, 22 de fevereiro de 2024 (TATOLI) – Foi aprovada, em Conselho de Ministros, a Lei de Bases do Ensino Superior. O projeto de proposta de lei foi apresentado pelo Ministro do Ensino Superior, Ciência e Cultura, José Honório Jerónimo.

“Após mais de 14 anos desde a entrada em vigor da Lei de Bases da Educação, pretende-se não apenas atender às atuais exigências e desafios, mas também assegurar a melhoria da qualidade através da criação de uma Lei de Bases específica para o setor do ensino superior. A Lei de Bases da Educação, manter-se-á em vigor em quase toda a sua totalidade, apenas se procedendo à revogação da matéria respeitante ao ensino superior”, pode ler-se no documento do Executivo, a que a Tatoli teve acesso.

Segundo fonte governamental, entre as medidas propostas por este diploma, inclui-se a substituição dos Diplomas I e II no ensino superior técnico por Cursos Técnico-Profissionais Superiores com a duração de dois anos.

“Os estabelecimentos de ensino superior técnico podem agora conceder graus e diplomas de bacharelato, licenciatura ou mestrado profissionalizante, corrigindo-se assim uma situação anterior de desigualdade na atribuição de graus e diplomas no ensino superior técnico. Estas medidas visam facilitar o reconhecimento académico internacional dos estudantes e melhorar as suas perspetivas de emprego na área de formação”, frisou.

De acordo com o comunicado, são também propostas alterações na duração do ciclo de licenciatura, que passará a ter uma duração de 8 ou 10 semestres e é introduzida a possibilidade de concessão do grau de mestre após uma formação de doze semestres, incluindo uma parte de licenciatura, integrada e não passível de divisão, correspondente aos primeiros oito semestres do curso de mestrado integrado. “A Lei de Bases do Ensino Superior incorpora uma norma que autoriza o ensino à distância no setor, considerando as necessidades evidenciadas durante a pandemia da Covid-19”, acrescentou.

“O diploma estabelece que, no ensino superior, o português deverá ser a principal língua de ensino, pesquisa e instrução, sendo o tétum utilizado como língua de apoio nos respetivos processos. O Estado tem o compromisso de valorizar e desenvolver a língua tétum, visando a sua utilização futura como língua principal no ensino superior. Estão previstas exceções a esta regra, designadamente no ensino de línguas estrangeiras, em programas de cooperação internacional e programas específicos que exigem a lecionação em língua estrangeira”, concluiu.

Notícia relevante: MESSC vai priorizar a criação de Lei de Bases do Ensino Superior

Jornalista: Domingos Piedade Freitas

Editora: Isaura Lemos de Deus

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!