iklan

INCLUSÃO SOCIAL, HEADLINE, NOTÍCIAS DE HOJE

Mateus Soares: “A deficiência é apenas física, não no coração ou na alma”

Mateus Soares: “A deficiência é apenas física, não no coração ou na alma”

Mateus Soares

DÍLI, 13 de julho de 2023 (TATOLI ) – Mateus Soares, 30 anos, natural de Ermera, é estudante do último ano do Departamento de Inclusão Comunitária da Universidade Nacional Timor-Lorosa’e. Quando criança, Mateus sofreu, durante quase um ano, de dores na perna esquerda, enquanto a direita perdeu a sua função motora. Por isso, não conseguia andar. Ficou três anos sem ir à escola. Foi estigmatizado e isolado pela família, mas, ainda assim, Mateus não perdeu a esperança de aceder a uma educação formal.

Mateus afirma ter um interesse especial pela defesa dos direitos das pessoas com deficiência. Atualmente, está envolvido como voluntário na Associação de Deficiência Auditiva de Timor-Leste. Crê, veementemente, que um dia assumirá um papel ainda mais ativo na defesa dos direitos das pessoas com deficiência.

A Tatoli achou relevante saber da opinião de Mateus Soares a respeito da situação das pessoas com deficiência, em geral, e do acesso à educação escolar, em particular.

Notícia relevante: Uma maratona ‘normal’ empurrou Teófilo Freitas para corridas de fundo

Tatoli: Pode falar-nos da sua experiência e de si próprio? 

Mateus: Depois de sofrer de dores na minha perna esquerda durante quase um ano, os meus pais levaram-me a um curandeiro. Recuperei da perna, mas não consegui caminhar normalmente, pelo que os meus pais disseram-me para não continuar a estudar pós 1.º ciclo e que só os meus irmãos é que podiam continuar a estudar. Durante quatro anos, senti-me frustrado e desesperado por ficar sempre em casa. Mas com esforço, boa vontade, coragem e luta, consegui regressar à escola.

Tatoli: O que aconteceu depois?

Mateus: Regressei à escola em 2009. Completei o 3.º ciclo em Ermera. Lembro-me do quão era custoso ir a pé de casa para a escola. Era uma distância longa, cerca de dois quilómetros. Quando ia para a escola, tinha de usar um pau para me deslocar, um pau feito pelos meus irmãos e colegas. A escola não tinha condições adequadas para as minhas limitações.

Tatoli: Que desafios enfrentou durante a sua escolaridade?

Mateus: Quando andava na escola básica, enfrentei sempre muita discriminação verbal. Os meus amigos chamavam-me Mateus-ain at (Mateus aleijado). Eu sei que eles não sabiam como tratar verbalmente as pessoas com deficiência, e isso era muito ofensivo e magoava-me. Além disso, também tive dificuldade no acesso a alguns edifícios e às salas de aula.

Tatoli: Fale-nos sobre isso: quais são as dificuldades que as pessoas com deficiência enfrentam no acesso à escola?

Mateus: Na minha opinião, em geral, não há muitas escolas com condições adequadas para pessoas com necessidades especiais, nomeadamente, pessoas com deficiência visual, porque não há meios, como livros em Braille ou computadores. Isso continua a ser um problema, agora no ensino superior.

Tatoli: Já se queixaram às autoridades?

Mateus: Sim, especificamente na nossa universidade, já apresentamos o problema aos nossos professores e à ADTL [Associação de Deficientes de Timor-Leste]. Infelizmente, até à data não houve qualquer resposta por parte das autoridades. Mas esperamos que os nossos professores continuem a pressionar as autoridades para que os problemas sejam resolvidos.

Tatoli: Qual é a sua opinião sobre as oportunidades de acesso à educação formal e não formal?

Mateus: Muito menos pessoas com necessidades especiais acedem à educação formal em Timor-Leste. Sabemos que a educação é muito importante para todos. No contexto de educação não formal, alguns de nós também têm dificuldade em aceder àquela porque não temos dinheiro, apesar de querermos realmente aprender. Podemos imaginar que é pior para os nossos amigos que vivem em zonas rurais. Não têm oportunidades, nem informação. Agradecemos às organizações que nos ajudam a ter melhores oportunidades em educação.

Tatoli: Como é, a seu ver, o apoio dado pelos movimentos que apoiam as pessoas com deficiência?

Mateus: Agradeço ao Centro Nacional de Reabilitação e à ADTL, por me terem apoiado enquanto estudava. Forneceram-me lápis, livros, cadernos e roupa e pagaram as minhas propinas. Tudo isto  encorajou-me realmente a continuar a estudar.

Tatoli: Sabemos que é um dos colaboradores da Associação de Deficiência Auditiva de Timor-Leste. Pode falar-nos das suas atividades?

Mateus: Sim. Fiz uma formação de três meses organizada pela Associação de Deficiência de Timor-Leste e depois fui integrado como voluntário. Ainda estou a aprender, mas acho que é uma boa oportunidade estar envolvido em atividades que visam defender os direitos das pessoas com necessidades especiais. Acredito que, um dia, irei ter um papel mais ativo na defesa dos direitos das pessoas com deficiência no país.

Tatoli: O que é que acha que as autoridades devem priorizar para as pessoas com deficiência?

Mateus: Penso que o que deve ser considerado é um local adequado para as pessoas com necessidades especiais poderem aprender e fornecer materiais de aprendizagem que se adaptem às suas necessidades.

Tatoli: Existem subsídios para as pessoas com deficiência?

Mateus: Sim, em cada seis meses recebemos um subsídio. No VIII Governo, eu recebia 50 dólares por mês. Portanto, em cada seis meses, recebia 300 dólares. Espero que com o novo governo receba um pouco mais. Para mim, receber a cada seis meses é uma coisa muito má porque só recebemos duas vezes por ano, é muito fácil gastar o dinheiro. Às vezes, são as nossas famílias que nos ajudam com algum dinheiro para apoiar as atividades universitárias. 

Tatoli: Que mensagens gostava de deixar para as pessoas com deficiências, as famílias e o Governo?

Mateus: A minha mensagem para as pessoas com deficiência é que a deficiência é apenas física, não no coração ou na alma, por isso esforcem-se por alcançar os vossos sonhos. Para as famílias, peço que não isolem os filhos com deficiência. Temos de perceber que a educação é para todos e não distingue pessoas com necessidades especiais. Peço também ao Governo, liderado pelo avô Xanana Gusmão, que dê uma atenção constante à educação de pessoas com deficiência.

Equipa da TATOLI

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!