iklan

EDUCAÇÃO, HEADLINE, NOTÍCIAS DE HOJE

Projeto “Livros voadores para Timor-Leste” oferece mais de mil livros a Escola CAFE de Manatuto

Projeto “Livros voadores para Timor-Leste” oferece mais de mil livros a Escola CAFE de Manatuto

DÍLI, 29 de outubro de 2021 (TATOLI) – O projeto “Livros voadores para Timor-Leste” doou 1.055 livros infanto-juvenis a alunos timorenses, nomeadamente ao Centro de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE) de Manatuto.

Lino Bettencourt, formador da Escola CAFE de Manatuto e um dos fundadores do projeto, explicou que a iniciativa em causa foi criada em 2019 com o objetivo de promover a doação de livros de Portugal a Timor-Leste, contribuindo assim para a divulgação e aprendizagem da língua portuguesa no país.

“O projeto visa promover a educação para a cidadania e os direitos humanos, fomentar a leitura, incentivar o ensino do português, equipar a biblioteca escolar para aumentar o número de livros e criar uma bibliomóvel e, ao mesmo tempo, contribuir para a promoção da língua portuguesa”, informa o formador à Tatoli em Díli.

Lino Bettencourt acrescentou que esta iniciativa pretende ajudar os alunos a lerem mais em português e a adquirirem gosto pela língua.

“São livros infanto-juvenis e têm, por isso, uma linguagem mais acessível aos alunos. Incluem enciclopédias, romances, entre outros”, recordou.

O formador disse ainda que manuais escolares não foram aceites, pois o currículo nacional do país é diferente do lecionado nas escolas portuguesas.

“Não faz sentido estarmos a trazer livros feitos com base no currículo português, porque, em Timor-Leste, há manuais adotados com base no currículo nacional aprovado pelo Ministério da Educação Juventude e Desporto (MEJD) timorense”, realçou.

Lino Bettencourt mostrou-se preocupado com o impacto da pandemia que afeta principalmente o envio de livros de Portugal para Timor-Leste.

“Infelizmente, não chegaram mais livros devido à covid-19, porque Timor-Leste ficou fechado, o que dificultou a entrega de encomendas”, frisou.

O projeto é totalmente financiado pelos professores, alunos e anónimos que participam no projeto em Portugal.

“A Embaixada de Portugal e Timor-Leste não tiveram qualquer despesa – foi tudo pago por quem enviou os livros. Os meus colegas professores e todos os envolvidos no projeto organizaram atividades para angariarem fundos para o transporte”, recordou.

A iniciativa foi apresentada pelo professor Lino Bettencourt, natural da Ilha de São Jorge, nos Açores, numa reunião geral de professores a 12 de abril de 2019, no CAFE de Manatuto.

O nome do projeto foi sugerido pela professora Maria de Fátima Gromicho, inspirado na curta-metragem de animação “The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore”.

Jornalista: Afonso do Rosário

Editora: Maria Auxiliadora

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!