iklan

HEADLINE, NACIONAL, NOTÍCIAS DE HOJE

Jovens timorenses consideram consulta popular como “momento memorável”

Jovens timorenses consideram consulta popular como “momento memorável”

foto especial

DÍLI, 30 de agosto de 2023 (TATOLI) – “No dia 30 de agosto, os timorenses deslocaram-se aos centros de votação para escolher o destino do país. Às 07h00 da manhã, em Dare, grande parte da população já estava na fila à espera da sua vez para votar. Tínhamos nas mãos o bilhete de identidade. Eram estas as nossas armas e nosso voto foi a nossa vitória”, contou Agostinho Alves, de 42 anos, no âmbito da comemoração do Dia Nacional da Consulta Popular, data que marca a realização do referendo em 1999 e que conduziu à independência do país.

Em entrevista à Tatoli, Agostinho Alves referiu que o dia 30 de agosto é uma data especial e assinala a grande vitória dos timorenses, porque foi o último dia de luta contra o inimigo, após 24 anos. “A comemoração deste dia especial permite relembrar o sacrifício e o sofrimento do povo pela libertação do país. Foi um momento memorável”.

Também Abelita Soares, uma jovem de 34 anos, defendeu a valorização da luta do povo pela libertação do país. Pede, por isso, aos jovens que contribuam para o desenvolvimento do país. “Foi um dia histórico, porque a maioria do povo participou. Foi a consulta popular que determinou a independência do país, e isso tem de ser valorizado e estar presente na memória de todos os timorenses”.

Xanana Gusmão, Primeiro-Ministro, destacou a importância de se valorizar o sacrifício e o sofrimento do povo. “Neste dia, recordamos os anos passados, onde as populações enfrentaram vários desafios, sofreram e perderam a vida para participar nas eleições de modo a finalmente conquistarmos a independência”. Tendo em mente este espírito, o Primeiro-ministro pediu aos membros do Governo que trabalhassem com responsabilidade para prestarem um melhor serviço à nação.

Recorde-se que a 05 de maio de 1999, os então Ministros dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Jaime Gama, e da Indonésia, Ali Alatas, sob o testemunho do Secretário-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan, assinaram o Acordo de Nova Iorque que formalizou a realização de uma consulta popular aos timorenses.

A 30 de agosto do mesmo ano, a Organização das Nações Unidas (ONU), através da Missão das Nações Unidas em Timor-Leste (UNAMET), organizou uma consulta popular. Os timorenses tinham duas opções: escolher um estatuto autónomo especial na Indonésia ou a independência. Em 4 de setembro, a ONU anunciou que de um total de 451.796 eleitores recenseados, votaram 446.953. O resultado ditou  344.580  votos (78,5%) a favor da independência e 94.388 (21,5%) a favor da autonomia.

Notícia relevante: Jovens timorenses consideram Dia da Consulta Popular uma vitória para Timor-Leste

Jornalista: Afonso do Rosário

Editora: Isaura Lemos de Deus

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!