iklan

NOTÍCIAS DE ÚLTIMA HORA, NOTÍCIAS DE HOJE, SAÚDE

Doentes renais assistidos por profissionais de saúde em quarentena no HNGV

Doentes renais assistidos por profissionais de saúde em quarentena no HNGV

Unidade de Hemodiálise no HNGV. Imagem da Tatoli/Felicidade Ximenes.

DÍLI, 19 de março de 2021 (TATOLI) – O Hospital Nacional Guido Valadares (HNGV) decidiu continuar a dar assistência a 95 doentes com insuficiência renal, embora todos os profissionais de saúde da Unidade de Hemodiálise se encontrem em confinamento obrigatório após teste positivo à covid-19 de quatros médicos desta unidade.

O Vice-Ministro da Saúde, Bonifácio Maukoli dos Reis, disse que as exigências médicas obrigam os outros profissionais de saúde – contactos próximos dos infetados – a manterem o trabalho.

Por falta de profissionais, o HNGV vê-se forçado a atender estes pacientes, apesar de, segundo relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS), os doentes renais crónicos estarem entre os grupos mais vulneráveis da covid-19.

Segundo o governante, os doentes esperam desde ontem no hospital para fazer hemodiálise, porque alguns dos profissionais de saúde estão infetados com covid-19 e encontram-se em isolamento. Os restantes, por serem contactos próximos, cumprem o confinamento e realizaram já o primeiro teste, com resultado negativo.

“A incubação pode ocorrer até 14 dias, mas com as exigências [dos pacientes] temos de continuar o atendimento. Então, trazemos até ao hospital os profissionais de saúde, que prestam a devida assistência por turnos”, disse o ministro, no HNGV, em Díli.

Ainda a aguardarem o resultado do seu segundo teste, os médicos na unidade em causa contam apenas com os equipamentos de proteção individual para protegerem os doentes.

O vice-ministro deu também orientações ao HNGV para estudar a possibilidade de transferência dos doentes para tratamento no estrangeiro – Indonésia, Malásia ou Singapura.

“São 95 doentes com insuficiência renal e temos apenas 11 máquinas. Alguns precisam de mais de três horas para a hemodiálise. Por isso, estamos a procurar outra opção”, afirmou.

O governante deu orientações ao diretor do HNGV para preparar uma junta médica e “caso haja possibilidade, transferir os doentes para a Indonésia e de modo a efetuarem aí o tratamento”.

O MS coordenar-se-á com o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação (MNEC) para contactar o país vizinho e discutir esta hipótese.

Por falta de recursos humanos na atual situação, o governante afirmou que o MS pretende capacitar mais timorenses. “Normalmente, os médicos são suficientes, mas, porque agora alguns estão infetados e todos devem permanecer em confinamento, o trabalho está paralisado”.

Já o Diretor da Administração, Finanças e Logística do HNGV, Duarte de Araújo, disse que a Unidade de Hemodiálise conta com mais de 20 médicos.

Duarte de Araújo referiu ainda que, de acordo com o Procedimento Operacional Padrão (SOP, em inglês) da OMS, quando o resultado é negativo no primeiro teste, se efetua um segundo. Se o resultado for o mesmo, os testados podem então sair do confinamento obrigatório.

“A situação obriga-nos a atender os doentes e alguns deles fazem hemodiálise três ou quatro vezes por semana. Torna-se perigoso parar os tratamentos. Assim, chamamos os nossos médicos [em quarentena] para prestar o apoio necessário”, confirmou.

O HNGV começou hoje às 14 horas a hemodiálise dos pacientes. A unidade está a funcionar 24 horas por dia, dividindo a equipa de médicos por turnos.

“Caso o segundo teste de algum destes profissionais tenha resultado positivo, precisamos de procurar uma alternativa, que poderá passar pela transferência dos doentes para o estrangeiro. Quando a situação normalizar, os pacientes regressarão. Este é, no entanto, o nosso último recurso”, adiantou.

O HNGV tem atualmente 11 máquinas de hemodiálise e a aquisição de mais duas está já incluída no processo de aprovisionamento do SAMES.

“Anualmente, o número de doentes tem aumentado. Temos, então, de adquirir mais máquinas.  Planeámos no ano passado realizar uma formação para o nosso pessoal de saúde na Indonésia, mas, devido à pandemia, cancelámos. O conselho do HNGV planeia também recrutar mais pessoal para Unidade de Hemodiálise”, avançou.

Recorde-se que, depois de um profissional de saúde desta unidade ter testado positivo, a assistência a doentes renais no HNGV parou durante 24 horas, o que causou grandes preocupações aos pacientes e família.

Timor-Leste regista, desde o surgimento do novo coronavírus, 252 infeções e 114 doentes recuperados. Atualmente, tem 138 infeções ativas.

Jornalista: Maria Auxiliadora

Editor: Zezito Silva

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!