iklan

OPINIÃO

Perspetivas para o futuro de Timor-Leste: A educação como pilar fundamental

Perspetivas para o futuro de Timor-Leste:  A educação como pilar fundamental

Pe. Domingos Godinho de Araújo, natural de Maucola, Beco, Suai, Missionário do Verbo Divino em Guimarães, Portugal

No dia 20 de maio de 2024, Timor-Leste celebrou 22 anos da proclamação da independência. Nestas duas décadas, este pequeno país situado no sudeste da Ásia passou por vários desafios e alcançou conquistas significativas. No entanto, em meio a estas celebrações, surge uma questão importante: Como pode Timor-Leste garantir um futuro mais brilhante e próspero para as gerações vindouras? A resposta reside na educação.

A educação sempre foi considerada a chave principal para abrir portas ao progresso. Filósofos de renome como Platão e John Dewey há muito sublinharam a importância da educação na formação de uma sociedade justa e civilizada. Platão, na sua obra “República”, propôs que o Estado ideal é aquele cujos líderes são filósofos – pensadores bem-formados. John Dewey, uma figura central na educação moderna, argumentou que a educação não se trata apenas da transferência de conhecimento, mas também da formação do caráter e da capacidade crítica dos indivíduos. Estas duas perspetivas são extremamente relevantes para Timor-Leste, que está a delinear a sua visão para o futuro.

Uma das medidas concretas que Timor-Leste pode adotar é a implementação de um programa nacional onde todos os cidadãos devem completar o ensino superior. Por que é esta medida importante? Um estudo do Banco Mundial mostra que cada ano adicional de educação pode aumentar o rendimento individual em 10%. Além disso, um nível educacional elevado está associado a uma maior prosperidade social, redução da criminalidade e maior participação nos processos democráticos.

Contudo, para concretizar este programa nacional de ensino superior obrigatório, há vários desafios que devem ser superados. Primeiro, o acesso ao ensino superior deve ser ampliado. Atualmente, muitos jovens em Timor-Leste não conseguem prosseguir para níveis educacionais superiores devido à falta de instalações e aos custos elevados. O governo deve investir na construção de universidades e escolas superiores de qualidade, especialmente em áreas remotas.

Em segundo lugar, a qualidade da educação deve ser melhorada. Segundo um relatório da UNESCO, um dos principais problemas em Timor-Leste é a baixa qualidade do ensino e um currículo que não responde às necessidades do mercado de trabalho. Portanto, é necessária uma reforma curricular abrangente e uma melhoria contínua na formação dos professores. Programas de intercâmbio de estudantes e professores com países que possuem sistemas educacionais avançados também podem ser uma forma de elevar a qualidade da educação em Timor-Leste.

Terceiro, é preciso haver sinergia entre o mundo educacional e a indústria. Os currículos do ensino superior devem ser desenhados de modo a preparar os graduados para o mercado de trabalho. Programas de estágio e parcerias com empresas locais e internacionais devem ser ampliados. Isto não apenas aumentará as competências práticas dos estudantes, mas também criará oportunidades de emprego para eles após a graduação.

Quarto, o apoio financeiro à educação deve ser fortalecido. O governo deve disponibilizar bolsas de estudo e empréstimos educativos acessíveis a todos. Além disso, o setor privado e as organizações não-governamentais também podem desempenhar um papel importante no financiamento da educação.

Timor-Leste tem um grande potencial para crescer. Com uma população relativamente jovem, o país possui recursos humanos que podem ser o motor do desenvolvimento. No entanto, sem uma educação adequada, este potencial nunca será plenamente aproveitado. A educação é um investimento a longo prazo cujos resultados podem não ser visíveis em um ou dois anos, mas ao longo de várias décadas, o seu impacto será enorme.

No contexto global, podemos ver como países como Singapura e Coreia do Sul conseguiram transformar-se de países em desenvolvimento em países desenvolvidos através de grandes investimentos na educação. Ambos os países partilham a visão de colocar a educação como prioridade principal nas suas políticas nacionais. Timor-Leste pode aprender com estas experiências e adaptá-las ao seu contexto local.

Celebrar a independência não é apenas relembrar o passado, mas também planear o futuro. Um Timor-Leste educado e inteligente é um Timor-Leste independente e próspero. Portanto, façamos da educação uma prioridade, e juntos construiremos um futuro mais brilhante para as gerações vindouras. Tornar o ensino superior obrigatório não é um sonho demasiado ambicioso, mas um passo concreto em direção a um progresso sustentável.

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!