iklan

INTERNACIONAL, EDUCAÇÃO, DÍLI, HEADLINE, NACIONAL, NOTÍCIAS DE HOJE

Língua portuguesa nas escolas exige materiais didáticos em português

Língua portuguesa nas escolas exige materiais didáticos em português

Imagem Tatoli/Egas Cristóvão

DÍLI, 02 de março de 2023 (TATOLI) – O Governo timorense pretende alterar a Lei de Bases da Educação n.º 14/2008 para impor o uso da língua portuguesa nas escolas. Segundo o Ministro da Educação, Juventude e Desporto, Armindo Maia, na base da intenção está um diagnóstico, entendido como “problema”, que indica que em cerca de 80% dos estabelecimentos escolares não se utiliza aquele idioma nas aulas.

“A baixa percentagem de falantes em língua portuguesa é um problema, por isso, juntamente com o Ministério do Ensino Superior, Ciência e Cultura, propusemos uma alteração à Lei de Bases da Educação. Consideramos que o português deve ser o idioma de instrução e o tétum e as outras línguas como um recurso e apoio no processo de ensino-aprendizagem”, disse o governante à Tatoli, no Centro Cultural Português da Embaixada de Portugal, em Díli.

O governante acrescentou que o projeto PRO-Português formou, no ano passado, mais de quatro mil professores, numa formação intensiva de língua portuguesa e este ano vão apostar em mais formação aos docentes timorenses para se reforçar o ensino da língua portuguesa.

A este propósito, a Embaixadora de Portugal em Timor-Leste, Manuela Bairos, destacou a importância da aprendizagem de uma língua ainda no ensino pré-escolar, frisando, neste nível, o papel fundamental de manuais de língua portuguesa.

“Em Timor-Leste, não há muitos materiais que propiciem o ensino da língua portuguesa no ensino pré-escolar. Penso que, de uma forma mais imediata, temos de começar na educação pré-escolar. Se estivessem disponíveis materiais em língua portuguesa, os próprios professores timorenses do pré-escolar sentir-se-iam mais seguros no ensino da língua”, informou Manuela Bairos.

Questionada sobre a baixa percentagem de falantes em língua portuguesa no país, Manuela Bairos disse acreditar que “os timorenses sabem falar português, mas não se sentem confortáveis, por isso recorrem a outras línguas.”

É de atentar que a produção de materiais impressos para uso no ensino pré-escolar tem tido apenas algumas iniciativas esparsas e sobretudo advindas de organizações não-governamentais anglófonas que disponibilizam revistas ou livretos de histórias em tétum, sobretudo Care International, a Fundação Aloha, a Timor Aid, a Mary Mackillop e algumas publicações do MEJD). Publicações em língua portuguesa passíveis de utilizar no ensino pré-escolar têm se caracterizado por ser de tiragens limitadas (por exemplo, a Abut) e de preço não acessível ao comum dos cidadãos.

Notícia relevante: Governo neozelandês disponibiliza material didático a 504 escolas do ensino pré-escolar

 Jornalista: Afonso do Rosário

Editora: Isaura Lemos de Deus

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!