iklan

EDUCAÇÃO, DESPORTO, HEADLINE, NOTÍCIAS DE HOJE

Governo pretende criar lei para reconhecer artes marciais como desporto

Governo pretende criar lei para reconhecer artes marciais como desporto

Ministro da Educação, Juventude e Desporto, Armindo Maia. Imagem Tatoli/Francisco Sony.

DÍLI, 26 de janeiro de 2023 (TATOLI) – O Ministro da Educação, Juventude e Desporto, Armindo Maia, e o Secretário de Estado, Juventude e Desporto, Abrão Saldanha, apresentaram na quarta-feira, em reunião de Conselho de Ministros, as opções político-legislativas para a criação de uma lei que regulamente as artes marciais e as organizações que as praticam.

“O objetivo desta lei é validar as artes marciais enquanto atividade desportiva e desenvolver um regime jurídico capaz de dar resposta a esta visão de contribuir para o potencial das artes marciais como instrumento de apoio ao desenvolvimento saudável da sociedade, em especial dos jovens”, disse o Ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Fidélis Magalhães, no Palácio do Governo.

A fiscalização da prática ficaria sob a responsabilidade da Comissão Reguladora das Artes Marciais (CRAM), informou Fidélis.

“Vamos organizar bem os grupos de artes marciais e dar-lhes a oportunidade de se registarem. Segundo as leis já em vigor, o Governo pode extinguir as organizações de artes marciais que não cumpram a legalidade e, com estas novas competências, exige-se mais rigor, para que os grupos sejam responsáveis e passíveis de serem responsabilizados”, especificou Fidélis Magalhães.

O Ministro da Educação, Juventude e Desporto, Armindo Maia, disse que o seu ministério vai elaborar leis adequadas para que as artes marciais possam ser incluídas nas escolas como atividades extracurriculares.

“A nossa política legislativa está mais focada na componente educativa e pedagógica das práticas, com intenção de adaptar alguns currículos nas escolas”, frisou Armindo.

O Governo reativou as atividades de artes marciais em 2020. Desde setembro do ano passado têm-se registado conflitos entre grupos rivais de artes marciais em Díli, que provocaram distúrbios na ordem pública, destruição de bens (motas e casas, entre outros), vários feridos e um morto. O falecido foi um jovem apedrejado em Dare e a suspeita é de que, tanto a vítima como o agressor, pertenciam a organizações de artes marciais.

Notícia relacionada: SEJD lamenta conflitos entre grupos de artes marciais

Equipa da TATOLI

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!