iklan

INTERNACIONAL, JUSTIÇA, EDUCAÇÃO, DÍLI, LEI, NACIONAL, NOTÍCIAS DE ÚLTIMA HORA

Carta de Bernard Collaery: “Continuarei a ajudar-vos”

Carta de Bernard Collaery: “Continuarei a ajudar-vos”

O ativista australiano Bernard Collaery. Foto: Canberra times

DÍLI, 25 de agosto de 2019 (TATOLI) – O ativista australiano Bernard Collaery escreveu uma carta ao Movimento Contra a Ocupação do Mar de Timor (MCOTT) e ao povo timorense sobre o apoio e a solidariedade de Timor-Leste relativamente à acusação de um tribunal australiano de que ele e a Testemunha K são alvo.

A carta de advogado Bernard Collaery dirigida ao MCOTT e povo timorense. Fointes: MCOTT

O advogado Bernard Collaery e a Testemunha K, ex-agente dos serviços secretos australianos, são acusados de conspiração devido à denúncia da alegada espionagem, em 2004, dos serviços secretos australianos no Palácio do Governo, em Timor-Leste.

“Sinto-me orgulhoso por ter ajudado o povo de Timor-Leste na luta pela justiça. Continuarei a ajudar-vos para que seja feita justiça, apesar de a perseguição que me é dirigida a mim e à Testemunha K ainda se manter,” refere o ativista Bernard Collaery na sua carta ao MCOTT, a que a Agência TATOLI teve acesso neste domingo (25/08/2019).

Recorde-se que o Tribunal da Austrália efetuou uma audiência  no dia 12 de setembro do ano passado, sendo ouvido Bernard Collaery e a Testemunha K no âmbito do caso relativo à delimitação das Fronteiras Marítimas entre Timor-Leste e a Austrália.

Um dia antes da audiência, o MCOTT realizou uma conferência de imprensa, onde exigiu ao Governo da Austrália que não levasse a cabo este julgamento, considerando-o semelhante a outros no regime de Suharto, por se limitar a liberdade expressão do povo.

“Exigimos à Austrália que respeite o direito de liberdade de expressão de Bernard Collaery e da Testemunha K, visto que, graças à sua liberdade, conseguimos que houvesse um tratamento igual entre Timor-Leste e a Austrália,” declarou o porta-voz do MCOTT, Juvinal Dias, aos jornalistas na conferência imprensa de 11 de setembro do ano passado, no recinto do Arquivo e Museu da Resistência de Timor-Leste (AMRT).

O MCOTT recolheu, posteriormente, várias assinaturas num documento de solidariedade dirigido a Bernard Collaery e à Testemunha K, no jardim do Liceu, na AMRT, entre os dias 12 e 13 desse mês, e na Fundação Haburas, Palapaço, a 14 de setembro.

No dia 7 de outubro desse ano, o MCOTT entregou a mensagem de solidariedade e agradecimento pelo apoio de Bernard Collaery e da Testemunha K através da Embaixada da Austrália em Timor-Leste para que fosse enviada ao Governo australiano.

A carta dos ativistas australianos vem no seguimento das atividades levadas a cabo pelo MCOTT.

O movimento reafirmou, no dia 10 de agosto deste ano, que o caso de Bernard Collaery e da Testemunha K é parte integrante do processo de luta pelas Fronteiras Marítimas de Timor-Leste.

“Excluí-los é, primeiro, mentirmos a nós próprios. Segundo, põe em risco história da luta pela resistência contra a ocupação da Austrália”, disse Celestino Gusmão, membro do MCOTT e investigador da La’o Hamutuk, na HAK, Farol, no passado fim de semana.

O responsável lembrou ainda o orgulho dos timorenses pela vitória nesta longa batalha, mas apelou a que não se esquecessem os apoios de solidariedade dos amigos estrangeiros, incluindo os de Bernard Collaery e da Testemunha K, pela sua enorme contribuição.

Celestino Gusmão avançou ainda que esta organização da sociedade civil se tinha reunido com o Presidente da República e pedido que não se esquecessem os dois ativistas australianos.

O investigador e membro de MCOTT comprometeu-se também, quando surgir a oportunidade, a encontrar-se com o Primeiro-Ministro e o Parlamento Nacional para abordar esta questão.

“Em relação ao Maun-Boot, Kay Rala Xanana Gusmão, já sabemos qual é a sua posição no apoio a estes dois amigos. Falou em Portugal e em outros locais sobre ambos”, acrescentou.

“Não exigimos que se organizem grandes campanhas, mas pedimos que se faça algo para que as suas vidas não sejam crucificadas”, apelou Celestino Gusmão.

Jornalista: Rafy Belo

Editor       : Francisco Simões

iklan
iklan

Leave a Reply

iklan
error: Content is protected !!